Gestão do fluxo de informações na cadeia de suprimentos: Visão do departamento comercial de uma empresa de fertilizantes

  • José Augusto Liberato dos Santos
  • Nilton Cesar Lima UFAL - Universidade Federal de Alagoas
  • Jamerson Viegas Queiroz UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Fernanda Cristina Barbosa Pereira Queiroz UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Marcio Mattos Borges de Oliveira USP - Universidade de São Paulo

Resumo

A logística vem ganhando cada vez mais espaço e importância no ato da negociação, bem como para a empresa em geral. Os fluxos de informações são componentes estratégicos para que todas transações saiam de acordo com o planejado. No presente estudo, a problemática se situa sob dilema de como gerir o fluxo de informações na cadeia de suprimentos e sua relevância ao departamento organizacional. Diante desse enfoque algumas hipóteses que motivaram a pesquisa nortearam sobre: sistema integrado de informações que coordena as ações e auxilia no planejamento existente entre fornecedores e clientes em todo o canal de distribuição. O objetivo desta pesquisa versa sobre a importância do fluxo de informações nas empresas de fertilizantes, onde envolve, por exemplo, o departamento comercial e o logístico. O estudo também possibilitou observar as vantagens e desvantagens em se manter um parceiro, revenda, filial ou centro de distribuição, permitindo reflexões sobre riscos e benefícios na utilização deste serviço em detrimento as vendas e entregas diretas. Notou-se que, para fazer uma análise sobre a visão comercial, especialmente no ramo de fertilizantes, sobre o fluxo de informações na cadeia de suprimentos, bem como na viabilização de parceiros e negociações sobre entrega e transportes, é preciso avaliar a importância do estoque e de pontos de armazenagem em diferentes áreas. No caso de fertilizantes existe uma variável muito grande: o ambiente climático. Antes de qualquer ação o produtor deve avaliar as condições climáticas, em seguida entrar com a aplicação dos mesmos, sendo em uma escala gradativa: tratadores de sementes, enraizadores, fertilizantes de solo e foliar. Como o tempo pode variar a todo instante e o produtor geralmente não estoca este tipo de produto, é necessário que a indústria tenha centros de distribuições ou parceiros em pontos estratégicos, a fim de maximizar a entrega ao produtor no momento desejado, daí, a importância do fluxo de informações na cadeia de suprimentos. Desse modo, é preciso estar integrado sobre a região, produto, clima, cliente e o fornecedor para aquisição da matéria prima, à tempo de ser produzido e entregue, além de estar ciente das condições dos meios de transporte, nesse caso geralmente rodoviário. Portanto, o estudo sobre o gerenciamento do fluxo de informações, neste caso, não consiste apenas na entrega do produto à tempo, mas também na redução do custo, na possibilidade de planejamento e avaliação da demanda em relação ao estoque da empresa, bem como expor os meios de transportes mais conhecidos e quais seriam viáveis ao setor. Assim, o estudo de caso numa indústria de fertilizantes no interior de São Paulo, representou o cenário para o diagnóstico de uma gestão no fluxo de informações, tomando como foco o departamento comercial, na finalidade de investigar sua viabilidade organizacional quanto às ações logísticas.

Referências

BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 1995.
BOND, E. Medição de desempenho para gestão de produção em um cenário de cadeia de suprimentos. 2002. Dissertação (Mestrado de Engenharia de Produção) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2002.

BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, 2001.

CAVANHA FILHO, A. O. Logística: novos modelos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.
CHOPRA, S. Gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.
CHRISTOPHER, M. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para a redução de custos e melhoria de servicos. Sao Paulo: Pioneira, 2007.
GHAURI, P. N.; GRONHAUG, K. Research methods in business studies: practical guide. New York: Prentice Hall, 1995.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas – RAE. São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar.-abr. 1995.

KOTLER, P. Administração de Marketing ( analise, planejamento e controle). São Paulo: Atlas, vol. 1, 1998.

MARTINS, P. G; ALT, P. R. Administração de Materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2003.

NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

PIMENTA, M. A. Comunicação Empresarial. 5 ed. São Paulo: Alínea, 2008.

POIRIER, C.C.; REITER, S.E. Suplly Chain Optimization: building the strongest total business network. San Francisco: Berret-Koehler Publishers, 1996.

REBOUÇAS, F. Canais de Distribuição. Disponível em . Acesso em: 01 out. 2010

SPINATO, P. A importância do Fluxo de Informações. Disponível em: . Acesso 22 out. 2010.
Publicado
2012-12-25
Como Citar
SANTOS, José Augusto Liberato dos et al. Gestão do fluxo de informações na cadeia de suprimentos: Visão do departamento comercial de uma empresa de fertilizantes. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 10, p. 22-35, dec. 2012. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/127>. Acesso em: 07 aug. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i10.127.