Eles não usam Black-Tie: uma análise historiográfica

  • Silene Ferreira Claro Docente no curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Campos Salles.

Resumo

Análise crítica do filme "Eles não usam Black-tie" segundo metodologia desenvolvida para análise de cinema como fonte histórica e também como material didático.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Doutora em História Social pela FFLCH-USP (2008). Bacharel em História pela Universidade de São Paulo (1999) e graduação em Licenciatura em História pela Universidade de São Paulo (1999). Docente no Curso de Pedagogia nas Faculdades Integradas Campos Salles, cadeira de Metodologia do Ensino de História, Tecnologias da Informação e Comunicação aplicadas à Educação e História da Educação. Docente nos cursos de História e de Pedagogia da Faculdade Sumaré.  Fui professora do Centro Universitário Sant’Anna e monitora PAE no Departamento de História da Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – USP, em 2005. Experiência na área de História, com ênfase em História Regional do Brasil, Historiografia e História do Brasil Contemporâneo, África e cultura Afro-brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, cultura brasileira, história cultural, didática do ensino de História e uso de tecnologias na e para a educação. Membro do NDE - Núcleo Docente Estruturante, dentro da Faculdade Sumaré desde agosto de 2012 e também no Centro Universitário Sant’Anna, nos cursos de Licenciatura em História e de Música, conforme orientações do MEC, entre 2008 e 2010. Colaboradora do NDE das Faculdades Integradas Campos Salles. Autora colaboradora na Editora Oxford do Brasil desde 2011. Fui tutora no curso da Escola de Formação de Professores Paulo Renato de Souza na edição de preparação de cursistas para o concurso em 2011. Atuo também como professora de História, Sociologia e Filosofia nos ensinos Fundamental e Médio, na rede privada, em Osasco-SP.

Referências

ALMEIDA, Juniel Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.) Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.
ALVES, Giovanni; MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema & Educação. Londrina: Práxis, Bauru: Canal 6, 2010.
ALVES, Giovanni. Trabalho e Cinema: o mundo do trabalho através do cinema. Londrina: Práxis, 2006.
ALVES, Giovanni. Trabalho e Cinema: o mundo do trabalho através do cinema. Londrina: Práxis, Bauru: Canal 6, 2010 (Volume 3).
ANTUNES, Ricardo C. O que é sindicalismo. 14ª ed., São Paulo: Brasiliense, 1988.
BARROS, José D’Assunção. O campo da História: especialidades e abordagens. 6. Ed., Petrópolis: Vozes, 2009.
BARROS, José D’Assunção. O projeto de pesquisa em História: da escolha do tema ao quadro teórico. Petrópolis: Vozes, 2009.
BUARQUE, Fernanda. Eles não usam Black-Tié. http://natelona.com/coluna_c.asp?id=8 (acessado em 13/05/2007)
BURKE, Peter. A Revolução Francesa da Historiografia: A Escola dos Annales (1929-1989). São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1991.
CALDAS, Pedro Spinola Pereira. A arquitetura da teoria: o complemento da trilogia de Jörn Rüsen. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2008 Vol. 5 Ano V nº 1
CAPELATO, Maria Helena, MORETTIN, Eduardo, NAPOLITANO, Marcos, SALIBA, Elias Thomé. História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda, 2007.
CARDOSO, Ciro Flamarion. VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 5ª ed., São Paulo: Paz e Terra, 2001.
CATENACCI, Vivian. Cultura Popular: entre a tradição e a transformação. São Paulo em Perspectiva, 15(2) 2001, p. 28-35
COSTA, Walber Carrilho da. Sindicalização e greves: história recente do movimento sindical brasileiro. http://www.anpuh.uepg.br/historia-hoje/vol2n6/walber.htm (acessado em 12/05/2007)
EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Editora Unesp, 2005.
EVANGELISTA, Rafael, BARBIERI, Andréia. Nas fronteiras entre o cinema e a História. In: http://www.comciencia.br/especial/cinema/cine01.htm (acessado em 17/10/2006)
FERREIRA, Mauro. Eles Não Usam Black-tie: Boa remontagem comprova grandeza do texto de Guarnieri. http://www.terra.com.br/istoegente/37/divearte/teatro_black.htm (acessado em 18/05/2007)
FERRO, Marc. A manipulação da história no ensino e nos meios de comunicação. São Paulo: Ibrasa, 1983.
FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, 1992.
GAWRYSZEWSKI, Alberto (Org.). Imagem em debate. Londrina: Eduel, 2011.
GARCIA, Miliandre. A questão da cultura popular: as políticas culturais do Centro de Cultura Popular (CFC) da União Nacional dos Estudantes (UNE). Revista Brasileira de História, vol. 24, n. 47, São Paulo, 2004
GARDINER, Patrick. Teorias da História. 4 ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.
GRAÇA, Marcos da Silva; AMARAL, Sergio Botelho do; GOULART, Sonia. Cinema Brasileiro: três olhares. Niterói: Eduff, 1997.
HAGEMEYER, Rafael Rosa. História & Audiovisual. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012 (História &... Reflexões)
IANNI, Octavio. A era do globalismo. 4ª ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.
LEAL, Eliane Alves. O Nacional-Popular entra em cena na obra ensaios do Nacional-Popular no Teatro Brasileiro Moderno, de Diógenes André Vieira Maciel. Revista de História e Estudos Culturais. Out./Nov./Dez. 2004, vol. 1, ano 1, n. 1. http://www.revistafenix.pro.br/pdf/Resenha%20Eliane%20Alves%20Leal.pdf (acessado em 13/05/2007)
LOURENÇO, Jaqueline, SOUZA, Rafael de Abreu, DOMINGOS, Simone Tiago. Usando o Black-Tie: Despindo a obra de Gianfrancesco Guarnieri – O Cinema, o Marxismo e a Escola dos Annales. http://www.klepsidra.net/klepsidra22/black-tie.htm (acessado em 12/05/2007)
MIUCCI, Carla. HISTÓRIA DO CINEMA: Um breve olhar. Dados disponíveis em: http://www.mnemocine.com.br/cinema/historiatextos/carla2int.htm (acessado em 12/02/2011).
NAPOLITANO, Marcos. O regime militar brasileiro: 1964-1985. São Paulo: Atual, 1998 (Discutindo a História do Brasil).
NAVES, Márcio Bilharinho. Marx: ciência e revolução. São Paulo: Moderna; Campinas: Editora Unicamp, 2000.
NOVA, Cristiane. O cinema e o conhecimento da História. O Olho da História, 3. Dados disponíveis em: http://www.oolhodahistoria.ufba.br/o3cris.html (acessado em 16/10/2006)
PEREIRA, Hamilton. Gianfrancesco Guarnieri. http://www.piratininga.org.br/novapagina/leitura.asp?id_noticia=1177&topico=Hist%F3ria
PROENÇA, Graça. História da arte. São Paulo: Ática, 2000.
RAMOS, Alcides Freire. Canibalismo dos fracos: Cinema e História do Brasil. Bauru: Edusc, 2002.
ROIZ, Diogo da Silva. A ‘crise de paradigmas’ nas Ciências Sociais, uma questão relativa à teoria da história? Topoi, v. 7, n. 12, jan.-jun. 2006, pp. 261-266.
SCHWARTZ, Adriano (Org.) Memórias do presente: 100 entrevistas do mais! – conhecimento das artes. São Paulo: Publifolha, 2003.
VASCONCELOS, Ana Lúcia. Leon Hirszman de volta às origens. Revista de Cultura. N. 49. Fortaleza, São Paulo - janeiro de 2006. http://www.revista.agulha.nom.br/ag49hirszman.htm (acessado em 05/05/2007)
VIRILIO, Paulo. Guerra e Cinema: logística da percepção. São Paulo: Boitempo, 2005 (Coleção Estado de Sítio).
ZIZEK, Slavoj. Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno. São Paulo: Boitempo, 2009.
Publicado
2012-12-27
Como Citar
CLARO, Silene Ferreira. Eles não usam Black-Tie: uma análise historiográfica. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 10, p. 127-138, dec. 2012. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/133>. Acesso em: 22 jan. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i10.133.

Palavras-chave

Cinema; História; Cinema Brasileiro; Movimento Operário; Sindicalismo.