A avaliação externa como fator relevante de ação para a formação continuada

  • Marcos Roberto Celestino

Resumo

É compartilhado por todos os educadores, não importa qual linha educacional, a importância da avaliação na prática educativa. A finalidade da avaliação pode ser diferente: (a) mensurar o progresso do aluno (sob o ponto de vista do próprio aluno ou do professor), (b) permitir ao professor verificar a eficiência e eficácia das estratégias de ensino e (c) viabilizar a avaliação interna ou externa de uma instituição de ensino. Qualquer uma dessas finalidades evidencia aspectos relevantes a serem considerados no processo ensino-aprendizagem, possibilitam também que se estabeleçam metas e ações para alcançá-las. O consenso, no entanto, não se faz presente com a mesma intensidade no que se refere a definir avaliação ou quando se aborda as maneiras de avaliar e com que níveis de exigência. Zabala (1998, p. 195) aponta a existência de definições diferentes, e muitas vezes ambíguas, sobre avaliação. Nota-se que há casos em que o aluno é o sujeito da avaliação, em outros é o grupo/classe ou até mesmo o professor ou a equipe docente; “[...] quanto ao objeto da avaliação, às vezes, é o processo de aprendizagem seguido pelo aluno ou os resultados obtidos, enquanto outras vezes se desloca para a própria intervenção do professor”. Com vistas nisso, nesse artigo, abordaremos cada uma das três finalidades apontadas para a avaliação e analisaremos de que maneira a Coordenação Pedagógica pode se valer da avaliação externa como um fator relevante na formação continuada dos professores.

Referências

ALARCÃO. I. - Gerir uma escola reflexiva.In: Professores reflexivos em uma escola reflexiva - São Paulo - Editora Cortez, 2003.
BRASIL.-Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disp. http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf>,acessado07/set/2010.
______. Decreto nº 1917 – Presidência da República – Casa Civil – Subchefia para assuntos jurídicos – 27 de maio de 1996.
CELESTINO, M.R. A formação de professores e a sociedade moderna – Revista Dialogia, São Paulo, v.5,2006,pp.73-80. Disponível.
CHRISTOV, L.H. da S. – Intenções e problemas em prática de coordenação pedagógica – In: PLACO, V.M.N. de S e ALMEIDA, L.R. – O coordenador pedagógico e o espaço de mudança – S.P., Loyola, 2005, pp.35-43.
FONSECA, M. - Políticas públicas para a qualidade da educação brasileira: entre o utilitarismo econômico e a responsabilidade social – In: Cadernos CEDES, vol. 29, nº78, Campinas, maio/agosto-2009. Disponível em , acessado em 06/set/2010 às 13h.
GEGLIO, P.C. – O papel do coordenador pedagógico na formação do professor em serviço – In: PLACO, V.M.N. de S e ALMEIDA, L.R. – O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola – S.P., Loyola, 2006, pp.113-119.
NETO, J.L.H. - Um olhar retrospectivo sobre a avaliação externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAEB de 2005 -In: Revista Iberoamericana de Educación, nº.42/5- 25/04/2007. Ed. por Organización de Estados Iberoamercianos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI).
IMBERNÓN, F. – A formação a partir da escola como alternativa permanente do professor – In: Formação docente e profissional – Ed. Cortez, 2000, pp.79-86.
LE BOTERF, G. - De la compétence à la navigation professionnelle - 2. ed. - Paris: Les Éditions d’Organisation, 1997.
LUCKESI, C. – Avaliação da aprendizagem: estudos e proposições - 2ª ed. São Paulo: Cortez, 1995.
OLIVEIRA, J.F. de et all - Avaliação, desenvolvimento institucional e qualidade do trabalho acadêmico –In: Educar em Revista, nº28 Curitiba, pp. 71- 88, 2006.
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - Regimento Comum das Escolas Municipais - In: SILVA, I. M. Conselhos de Escola na Cidade de SP, São Paulo, POLIS/IEE-PUC/SP, Agosto, 2002.
SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.
SETOGUTI, R.I.; ZANATTA,R.N. - Qualidade da Educação Básica: um objetivo a ser alcançado – 2007 – In: Anais do VIII Congresso Nacional de Educação (EDUCERE: recurso eletrônico) – PUC- PR - Curitiba/PR - outubro/2008. Disponível em , acessado em 07/set/2010 às 15h.
SOUZA, V.L.T. de – O coordenador pedagógico e a constituição do grupo de professores – In PLACO, V.M.N. de S e ALMEIDA, L.R. – O coordenador pedagógico e o espaço de mudança – S.P., Loyola, 2005, pp.27-34.
TARDIF, J. – Saberes Docentes e Formação Profissional - Petrópolis, RJ. Vozes, 2002.
ZABALA, A. – A prática educativa: como ensinar. Trad. Ernani. F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2013-04-24
Como Citar
CELESTINO, Marcos Roberto. A avaliação externa como fator relevante de ação para a formação continuada. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 10, p. 36-50, apr. 2013. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/138>. Acesso em: 22 jan. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i10.138.

Palavras-chave

Avaliação; formação continuada; coordenação pedagógica; avaliação interna e externa.