As interações humanas no espaço social do trabalho: Homem e empresa em transform/ação

  • Monica Maria Martins de Souza

Resumo

As investigações acerca do papel da missão organizacional; - texto mediador sobre o funcionário para que ambos alcancem uma conjunção, busca a compreensão da força da missão sobre o trabalhador. A mediação possibilita ampla coesão nessa relação, de maneira que o funcionário vai além da representação de um papel na aquisição dessa competência. No processo de identificação com a empresa ele se transforma em sujeito, elevado a essa categoria pela ação da missão. O papel do texto da missão - comunicação e cultura – é se constituir em sua continuidade, destaca e fala ao funcionário como sujeito. Desta forma, promove-o e determina seu deslocamento, sua hora de acordar, de levantar, de se ligar e desligar - universo simbólico, espaço de tranform/ação. Participa com ele em condições de orientá-lo, de determinar a relação, e todo o tempo, ambos permanecem alerta, vendo e sendo vistos. A missão da empresa integra todos os recursos que o homem precisa para se orientar, ou seja, os vínculos comunicacionais. Entra em sua vida com tamanha impetuosidade que marca o seu cotidiano, governa o seu sentido e a sua presença, mesmo quando ausente.  Longe da empresa, o homem mantém sua forma de comunicação e interação, programada por ela: a missão organizacional. Assim nas interações humanas no espaço social do trabalho tanto o homem quanto a empresa se transformam enquanto dançam em um jogo que devora e faz devorar – a norma, por ser transforma/dor.

##submission.authorBiography##

Monica Maria Martins de Souza
Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. (2005), Mestre em Administração de empresas pelo Mackenzie/SP. (1999). Especialista em Administração. de RH pela UNA. União de Negócios Adm. de BH, MG. (1995), e especialista em Tecnologia Educacional pela UNINOVE SP. (2000), é Psicóloga graduada Newton Paiva de BH/ MG. (1991). Atualmente é Profa convidada pela Pós-graduação do Mackenzie. Desde 2006 é avaliadora INEP. Profa. Dra, Pesquisadora da Faculdade ENIAC, coordena grupos de pesquisa e iniciação científica, organizadora dos Seminários Anuais desde 2009 e da Revista Acadêmica ENIAC PESQUISA. É Profa. Dra. Pesquisadora, coordenadora de Cursos e da Revista Acadêmica Augusto Guzzo das Faculdades Integradas Campos Salles - FICS desde agosto de 2010. Consultora da Euroatlantica Ghesa Brasil Ltda.

Referências

AGUILAR, G. Hernández (ed.), Sentido y significación (Puebla, Premia Edit., 1987).
BAITELLO, N. O animal que parou os relógios. SP: Annblume. 2ª, ed 1999.
ECO, Umberto.. I Limiti dell´Interpretazione. Milão Bompiani1999.
FERRARA, Lucrecia. Os Significados Urbanos. São Paulo. Edusp/Fapesp 2000
FLUSSER, V. Natural:mente, Vários acessos ao significado de natureza – Ensaios. filosofia da natureza. São Paulo. Ed. D. cidades, 1979
HILLMAN, James. Encarando os deuses. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.
IASBECK, L. C. A. (2002) A arte dos Slogans: as técnicas de construção das frases de efeitos do texto publicitários São Paulo:
KAMPER, D. O trabalho como a vida, SP: Annablume.1997
KAMPER, Dietmar. Jan Fabre ou L’Art de L’Impossible. Strasbourg: La Chauferrie. 1999.
LANDOWSKI, E., FIORIN, J. L. O gosto da gente o gosto das coisas. Abordagem semiótica. Trad. Brandão. E.São Paulo: EDUC/PUC, 1997.
LANDOWSKI, E. e OLIVEIRA, A. C. de (eds.), Do inteligível ao sensível, São Paulo, Educ, 1995.
MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Inst. Piaget, 1990. “a convivência, só é possível em virtude da submissão dos indivíduos”.
MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1996.
MORIN, E. O Método/ O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre. Sulina, 1999.
MORIN, E. O Paradigma Perdido. Portugal: Europa América, 2000.
Norval Baitello. O animal que parou os relógios, 1997.
OLIVEIRA, A. C, Colóquio do Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2003, p.196.
OLIVEIRA, A. C., Eric Landowski, Caderno de Discussão do Centro de Pesquisa Sociossemiótica PUC: COS/USP/FFLCH/CNRS: PARIS, 2003.
OLIVEIRA, A.C. LANDOWSKI, E. Do inteligível ao sensível, São Paulo, Educ, 1995.
OLIVEIRA, A. C., LANDOWSKI, E. Caderno de Discussão do Centro de Pesquisa Sociossemiótica. São Paulo: ed. CPS. 2002. Annambule: Brasília: Upis. (pág.111).
OLIVEIRA, A. C. M., "Notas sobre a presentificação: inteligibilidade e sensibilidade na primeira página do jornal", Caderno de discussão VI Colóquio Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2000, pp. 177-188.
PEREZ, T. Semiótica de la publicidad, Ed. Mitre. Barcelona, 1982
PROSS, Harry, Estructura Simbolica del poder, 1980:36.
TEIXEIRA, L., "Relações entre o verbal e o não verbal: pressupostos teóricos", in Caderno de discussão do VII Colóquio do Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2000, pp. 415-426.
WATZLAWICK, J. e JACKOBSON, D. Pragmática da comunicação Humana. São Paulo, Cultrix, 1993.
WEICK K. E. "The Significance of Corporate Culture." In: Org Culture. California: Sage. 1985.
WINKIN, Yves. A Nova comunicação. Da teoria ao trabalho de Campo. Campinas, Papiros. 1998. (Org. Etienne Samain).
Publicado
2013-04-30
Como Citar
SOUZA, Monica Maria Martins de. As interações humanas no espaço social do trabalho: Homem e empresa em transform/ação. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 10, p. 139-154, apr. 2013. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/144>. Acesso em: 26 jan. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i10.144.

Palavras-chave

Missão Organizacional; Aquisição de Competência, Comunicação, Cultura e Universo Simbólico; Vínculos Comunicacionais; Espaço de transform/ação