Sintonia entre teoria e a prática no ensino de língua inglesa nos parâmetros curriculares nacionais

  • Liliana Covino ENIAC-SP

Resumo

 

O Ministério da Educação lançou, em 1998, um documento com orientações didáticas e pedagógicas para que os professores adotassem um novo sistema de ensino, tornando-o mais relevante e significativo para o aluno: Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Eles sugerem que os professores adotem uma abordagem sociointeracional para o ensino da língua estrangeira. Como professora do curso de Letras Português/Inglês de instituição de ensino Superior da  Grande São Paulo, lecionando  a disciplina de Prática de Ensino e Estágio Supervisionado de Língua Inglesa, a pesquisadora sentiu a necessidade de um estudo mais aprofundado para, ao entender melhor  a questão, poder implementar melhorias em sua própria prática docente. Sendo assim, essa pesquisa tem como objetivo verificar até que ponto a prática docente dos professores de Língua Inglesa, nas escolas de ensino fundamental da Grande São Paulo, se aproxima do preconizado pelo documento “Os Parâmetros Curriculares Nacionais” (PCNs). A pesquisa traz uma breve retrospectiva da educação no Brasil com o propósito de esclarecer como a situação do ensino de línguas chegou ao ponto  em que se encontra hoje  e faz  uma reflexão sobre os aspectos teóricos dos Parâmetros Curriculares Nacionais de Língua Estrangeira para terceiro e quarto ciclos do ensino Fundamental, comparando essa teoria com a prática docente. Notou-se que,  na teoria, o fazer docente tornou-se mais complexo, pois foi atribuído ao professor uma série de papéis e, na prática, ele ainda assume o papel de simples “transmissor” do conhecimento, como observado na análise dos relatórios de observação de estágio.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre, Professora do Curso de Letras Inglês/Português da Faculdade ENIAC São Paulo. Leciona a disciplina de Prática de Ensino de Língua Inglesa e Estágio Supervisionado.

Referências

1. ALBUQUERQUE, E. Dificuldades de Leitura em Enunciados de Problemas de Matemática. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993.
2. ALEXANDER, L.G. Look, Listen and Learn. London: Longman, 1968.
3. AQUINO, J. Groppa. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. São Paulo: Moderna, 2003.
4. ARAÚJO, U. F. de temas transversais e a estratégia de projetos. São Paulo: Moderna, 2003.
5. BRASIL. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. S. IV arts.35. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional para o ensino médio. Em: http://www.aspuv.org.br/LDBE.htm. Acesso 20/01/ 2006.
6. CHAGAS, R. V. C. Didática especial de línguas modernas. São Paulo: Companhia Ed. Nacional, 1957.
7. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜISTICOS. Barcelona. 1996. Disponível em: http://www.amigosdolivro.com.br/noticias.php?codNt=190&rnd=705> Acesso em 10março. 2006.
8. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra., 1987.
9. _______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
10. HARMER, Jeremy. How to teach English. England: Addison Wesley Longman Limited, 2003.
11. HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
12. HOUAISS, Antonio. Dicionário da Língua Portuguesa. 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
13. INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISAS EDUCACIONAIS. (1999). Exame Nacional do Ensino Médio: Documento Básico 2000. Brasília: INEP.
14. KRASHEN, Stephen D. Principles and Practice in Second Language Acquisition. English Language Teaching series. London: Prentice-Hall International (UK) Ltd, 1981.
15. LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and parinciples in language teaching. London: Oxford Press. 1986
16. LEFFA, Vilson J. O ensino de Línguas Estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, APLIESP, 1999.
17. _______. Metodologia do ensino de línguas. In BOHN, H. I.; VANDRESEN, P. Tópicos em linguística aplicada: O ensino de Línguas Estrangeiras. Florianópolis: Ed. UFSC, 1998:211. Em: http://www.leffa. pro.br/Metodologia_ensino_linguas.htm
18. LEGISLAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR 2001. PARECER N°: CNE / CES 492/2001. Disponível em http://www.abmes.org.br/Legislacao/2001/Parecer/Par_CES_492_Diretrizes_ Curriculares. Em 14/12/04.
19. LINCOLN, Y. S & GUBA, E.G. Establishing trustworthiness. In Naturalistic inquiry. BH: Sage P., 1980.
20. LOPES, Moita. L.P. Oficina de Linguística Aplicada: A natureza social e educacional dos processos de ensino-aprendizagem de línguas. Campinas: Mercados de Letras, 1996 p 127 a134.
21. LORENZONI, I. Espanhol será obrigatório no ensino médio. Brasília: Portal MEC, 2005. Disponível em http://www.abrelivros.org.br/abrelivros/texto.asp?id=1310. Acesso em 20/01/06.
22. LÜDKE, M. A, Marli E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, (Temas Básicos de Educação e Ensino) Texto: Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. 1986.
23. MENEZES, V. A LDB e a legislação vigente sobre o ensino e a formação de professor de língua inglesa. 2003. Disponível em: http://www.veramenezes.com/ensino..htm. Acesso em 04 jan 2006.
24. MENEZES DE SOUZA, L. M.; GRIGOLETTO, M. Towards autonomy in teacher education: bridging the gap between the university and the secondary state school. In autonomy in Language Learning. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1993.
25. MIZUKAMI, M. da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo. EPU, 1986.
26. MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro/tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. São Paulo: Cortez; Brasília, 2000.
27. NUNAN, D. Research Methods in Language teaching. Cambridge: C. University Press, 1992.
28. O’NEIL et al. Kernel Lessons Intermediate. London: Longman, 1975.
29. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: TERCEIRO E QUARTO CICLOS DOENSINO FUNDAMENTAL / LÍNGUA ESTRANGEIRA /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: 1998.
30. REVISTA NOVA ESCOLA. São Paulo: Ed. Abril, edição 176, outubro 2004.
31. SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sanchez Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. José Camilo dos Santos Filho; (org.) – 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2002.
32. SAYÃO, Rosely. Educar para a autonomia. São Paulo, 2003. Disponível em: http//www.folha.uol.com.br /fsp/equilibrio/eq. Acesso em 14 dez. 2004.
33. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1° e 2° graus. 8ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002.
34. UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Apresentação de trabalhos acadêmicos: guia para alunos do Mackenzie. 3.ed São Paulo: Ed Mackenzie, 2004.
35. WILLIAMS, Marion; BURDEN, L. R. Psychology for language Teachers. Cambridge: Cambridge 1997.
36. WILLIS, Jane; WILLIS Dave.Cobuild English Course Book 1. London: Collins, 1988Ate voluptatur aceperc hitasi invenda quo cones et hil mil idemquam, saes
Publicado
2013-06-27
Como Citar
COVINO, Liliana. Sintonia entre teoria e a prática no ensino de língua inglesa nos parâmetros curriculares nacionais. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 11, p. 58-74, june 2013. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/152>. Acesso em: 02 apr. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i11.152.

Palavras-chave

Parâmetros Curriculares Nacionais; Abordagem Sócio-interacional; Ensino Fundamental