Alienação da ACTIO em relação ao indivíduo no direito Romano

  • Renato Sedano Onofri FICS-SP

Resumo

O presente artigo tem como finalidade promover a discussão a respeito do desenvolvimento do conceito de actio ao longo da história do processo civil romano. Longe de ser um assunto de relicário, o estudo da actio romana permite a reflexão sobre o moderno conceito de ação, cuja formulação permite entrever não apenas a concepção que se tem de processo, mas também das relações entre Estado e indivíduo.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Renato Sedano Onofre compõe o quadro de Professores do Curso de Direito da FICS – Faculdades integradas Campos Salles.É pesquisador da Oficina de artigos da instituição.

Referências

1. ARANGIO-RUIZ, V. Instituzioni di diritto romano. 11ª ed. Napoli: Eugenio Jovene, 1952.
2. BONFANTE, Pietro. Diritto romano. Firenze: Fratelli Cammelli, 1900.
3. CALAMANDREI, Piero. La relatività del concetto d’azione, in Opere Giuridiche, vol. I, Napoli: Morano, 1965.
4. CORREA, Alexandre; castro correa, Alexandre Augusto; Sciascia, Gaetano. Manual de direito romano, vol. II. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 1955.
5. MEIRA, Silvio A.B. A lei das XII tábuas: fonte do direito público e privado. 2 ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1961.
6. ______________. Processo civil romano, 2 ª ed. Belém: Falanzola, 1962.
7. MONTEIRO, João Pereira. Direito das ações. São Paulo, 1905.
8. MOREIRA ALVE, J. C. Direito romano, vol. I. 12ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999.
9. PONTES DE M. F. Cavalcanti. Tratado de direito privado, tomo V. 4ª ed. São Paulo: RT. 1974.
10. PROVERA, Giuseppe. A noção romana de actio, in Seminários de Direito Romano, Brasília, 1984 (agora in Provera, Giuseppe. Scritti giuridici - Collana della Rivista di Diritto Romano, disponível em . Acesso em 12 de junho de 2009).
11. ______. Diritto e azione nell’esperienza giuridica romana, in Studi in onore di Arnaldo Biscardi, vol. IV. Milano: Cisalpino, 1983 (agora in Provera, Giuseppe. Scritti giuridici - Collana della Rivista di Diritto Romano, disponível em . Acesso em 12 de junho de 2009).
12. PUGLIESE, Giovanni. Actio e diritto subietivvo. Milano: Giuffrè, 1939.
13. ______. Polemica intorno all’actio. Firenze: Sansoni, 1954.
14. SATTA, S. Azione-storia del problema. Enciclopedia del diritto. Milano: Giuffrè, 1959.
15. TUCCI, José Rogério Cruz e; azevedo, Luiz Carlos de. Lições de história do processo civil romano. São Paulo: RT, 2001.
16. VOLTERRA, Edoardo. Instituciones de derecho privado romano (trad. esp. Jesús Daza Martínez). Madrid: Civitas, 1986.
17. WINDSCHEID, Bernard. Die Actio des römischen Civilrechts vom Standpunkte des heutigen Rechts. Düsseldorf: Verlag von J. Buddeus, 1856 (trad. It. Ernest Heinitz e Giovanni Pugliese, in Polemica intorno all’actio. Firenze: Sansoni, 1954).
Publicado
2013-06-26
Como Citar
ONOFRI, Renato Sedano. Alienação da ACTIO em relação ao indivíduo no direito Romano. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 11, p. 184-205, june 2013. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/161>. Acesso em: 02 apr. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i11.161.

Palavras-chave

Desenvolvimento; actio; processo civil romano.