MÁSCARAS SOCIAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE OS RECURSOS QUE O INDIVÍDUO UTILIZA PARA PROTEGER SUA IDENTIDADE NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL

  • Lindaura Vieira
  • Fernando José Lopes PUC-SP
  • Mônica Maria Martins de Souza Campos Salles, ENIAC

Resumo

O presente artigo visa propor uma reflexão sobre os recursos que o indivíduo utiliza para proteger sua identidade no contexto organizacional. A metodologia foi o recorte e análise de artigos científicos. A pesquisa aqui apresentada tem caráter bibliográfico. A proposta foi uma pesquisa qualitativa, dentro de uma abordagem psicossocial, ou seja, que busca compreender o ser humano dentro do seu contexto sócio histórico. Este estudo identificou, analisou e comentou como o indivíduo nas organizações interage com o outro para atingir seus objetivos fazendo uso de máscaras sociais. A transição de como esse trabalho ocorre e o benefício por ele produzido ajudou o indivíduo a formar sua identidade. Assim, a partir da abordagem da identidade dos indivíduos na cultura organizacional e o uso de máscaras sociais, foram extraídas reflexões, que ampliaram as discussões acerca dos recursos que o indivíduo utilizou para ser inserido nos grupos sociais.

Biografia do Autor

Lindaura Vieira
Psicóloga Pós-graduação em Psicologia Organizacional Pós-Graduando em Neuropsicologia. Psicóloga Clínica e Organizacional Consultora, especialista em Treinamentos, Palestras e Workshop. Em Avaliação Neuropsicológica e Psicodiagnóstico, Wellness Coaching, Depressão, Fobias, Stress, Ansiedade, Sexualidade, Dificuldade de Aprendizagem
##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Cognição e Semiótica PUC-SP, pós-graduado em Gestão de Pessoas na Universidade Paulista, graduado em Administração e Professor das Faculdades Integradas Campos Salles – FICS nas áreas de Gestão e Graduação em Administração e Ciências Contábeis. Professor convidado dos cursos de pós-graduação em Psicologia Organizacional e Departamento Pessoal na Universidade Paulista - UNIP.
##submission.authorWithAffiliation##
Jornalista, psicóloga Clínica Educacional, Organizacional, Drª em comunicação e semiótica, Psicóloga Mestre em Administração, Especialista em Tecnologia da educação, em Recursos Humanos e em Educação com ênfase em EAD/SP. Editora de Revistas Acadêmicas, Prof e Pesquisadora de Pós-graduação Mackenzie, UNIP, ENIAC – Guarulhos SP e Faculdades Campos Salles.

Referências

BERGER, P. LUCKMANN, T. (1989). A construção social da Realidade. São Paulo: Vozes.
BOOG, G. G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento- ABTD- Associação Brasileira de treinamento e Desenvolvimento. 3ed. São Paulo: Makron Books, 1999. p. 1-13.
BYSTRINA, I. Tópicos de semiótica da cultura. São Paulo: CISC, 1995.
CANEVACCI, M. (1990) Antropologia da comunicação visual. São Paulo: Brasiliense.
CAILLOIS, Roger. Les jeux et lês hommes. Edtions Gallimard, (1958 1ª. Ed.) 1967.
CIAMPA, A. C. Identidade. In: CODO, W. & LANE, S.T.M. [et all], (organizadores). Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984. CHIAVENATO, I. (2004) Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. Edição compacta. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.
DEJOURS, C. A Loucura no trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, O. 5ª. ed, 1992.
DUTRA, J. S. Administração de Carreiras. São Paulo: Atlas, 1996. P. 21-31.
EIBESFELDT, Eibl. El hombre pré programado. Spain: Ed. Alianza, 1973. EIBESFELDT
FERNANDES, K. R.; ZANELLI, J. C. O processo de construção e reconstrução das identidades dos indivíduos nas organizações On-line version ISSN 1982-7849 Rev. adm. contemp. vol.10 no.1 Curitiba jan./mar. 2006 http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552006000100004.
FLUSSER, V. A Dúvida. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
____. A História do Diabo. São Paulo: Martins Fontes, 1965.
_____. Da religiosidade. São Paulo: Comissão Estadual de Cultura, 1967.
_____. Ficções Filosóficas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998. _____. Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: R Dumará, 1985.
_____. Língua e realidade. São Paulo: Herder, 1963.
_____. Los gestos: fenomenología y comuniación. Barcelona: Herder, 1994.
_____. Natural:mente: Vários acessos ao significado da natureza. São Paulo. Ed. Duas Cidades, 1979.
____. Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: Duas cidades, 1983.
FLUSSER, Vilém. “Texto / imagem enquanto dinâmica do Ocidente”. In Cadernos Rioarte, Rio de Janeiro, ano II, n.5, jan., 1996.
FOUCAULT, M. História da loucura. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2002.
GAMA, M. G. A fabricação da Imagem Social da Empresa. Livro de Atlas 4º SOPCOM Universidade do Minho, 2005. Acesso 21/03/ 2012 as 23:00 horas.
HARLOW, Harry. Love created, love destroied, love regained. In:modeles animaux du
comportement humanin. Paris. Centre National de la RechercheScientifique, 1970.

JUNG, C. G. (org). O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro. Nova Fronteira, 316 p. 1964.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2010.
LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.
MACHADO, H. V. A identidade e o contexto organizacional: perspectivas de análise. Rev. adm. contemp. vol.7 no.spe Curitiba 2003 http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552003000 500004 ISSN 1982-7849.
MARQUARDT, M. J. O poder da aprendizagem pela ação: como solucionar problemas e desenvolver líderes em tempo real. Tradução Anna Lobo. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio, 2005.
MORIM, E. M. Os sentidos do trabalho. RAE - Revista de Administração de Empresas/FGV/EAESP - jul./set. 2001 - São Paulo, v. 41 n3 p.8-19.
MOTTA, F. C. P., & VASCONCELOS, I. G. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.
PONTES, B. R. A arte de selecionar talentos: planejamento, recrutamento e seleção por competência. São Paulo: DVS Editora, 2005.
PROSS, H. Estructura simbólica del poder. Barcelona: Gustavo GILI, 1980.
ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. Tradução Reynaldo Marcondes. 9ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
SCHEIN, E. H. Guia de sobrevivência da cultura coorporativa. (2th ed). Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.
SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994:13. 124 125
SILVA, J. R. G., & VERGARA, S. C. (2000). O significado da mudança: as percepções dos funcionários de uma empresa brasileira diante da expectativa de privatização. Revista de Administração Pública, 34(1), 79-99.
SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: UFSC, 2001.
SOUZA Monica Maria Martins de. http://cisc.org.br/portal/biblioteca/CISC_20_anos-Comunicacao_Cultura_e_Midia.pdf. São Paulo 2015.
TACHIZAWA, T.; FERREIRA, V. C; FORTUNA, A. A. M. Gestão com pessoas – uma abordagem aplicada ás estratégias de negócios. 4ed revistas e atualizada. Rio de Janeiro: FGV, 2004. P. 18-53.
ZAMPERETTI, M. P. (2010) A Arte e o Saber de si no uso pedagógico das máscaras – práticas e pesquisa na sala de aula - Revista Contrapontos - Eletrônica, Vol. 10 - n. 1 - p. 65-73 / jan-abr 65.
Publicado
2016-07-09
Como Citar
VIEIRA, Lindaura; LOPES, Fernando José; SOUZA, Mônica Maria Martins de. MÁSCARAS SOCIAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE OS RECURSOS QUE O INDIVÍDUO UTILIZA PARA PROTEGER SUA IDENTIDADE NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 17, p. 283-299, july 2016. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/320>. Acesso em: 23 sep. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i17.320.

Palavras-chave

Organização, Identidade, indivíduo, máscaras sociais