Governança corporativa internacional: uma análise das principais experiências

  • Manuel dos Santos Leitão FICS
  • Antonio Dirceu Marques FICS
  • Alexandre da Silva Oliveira FICS
  • Adriana Alves Valentim FICS
  • Camila Feliciano Vieira FICS
  • Janete de Almeida Luiz Manoel FICS
  • Mery Leia da Silva Lima de Almeida FICS

Resumo

O artigo analisa as principais experiências internacionais de Governança Corporativa. Para isso, são apresentados os objetivos, os princípios e o ambiente empresarial brasileiro, com uma comparação internacional. Na análise dos modelos internacionais de Governança Corporativa, constatou-se que, de maneira geral, na América Latina é predominantemente, empresas de controle familiar e de interesses pessoais, um entrave para a boa prática de governança. O modelo brasileiro comparado aos demais países têm poucas empresas lançadas na Bolsa de Valores. Mais especificamente no Brasil a Governança Corporativa ainda é um assunto novo, porém está evoluindo com rapidez. O modelo adotado no país guarda alguma semelhança com os sistemas Alemão e Japonês e é marcado por formas diferentes de movimentar o capital. No país as firmas têm conselhos de administração passivos, acionistas controladores, expropriação de minoritários e concentração de poderes e acumulação de funções da direção. Por outro lado, países com sistema considerado descentralizado como, por exemplo, os EUA – são dotados de conselhos de administração profissionais, com investidores institucionais, com uma melhor repartição dos dividendos, fragmentação do poder e especialização de funções das atividades da administração.

Referências

AICPA. Controle Interno. Disponível em: . Acesso em: 8 mai. 2016.
ALMEIDA, Marcelo Cavalcante. Auditoria Um Curso Moderno e Completo. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 540 p. International Standard Book Number (ISBN) 978-85-224-3503-6.
ANDRADE, M. M. Pesquisa científica: noções introdutórias. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003. Cap. 10, 687 p.
ARAUJO, Luis César G. Organização, Sistemas e Métodos e as Tecnologias de Gestão Organizacional. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011. 529 p.
ATTIE, Willian. Auditoria Interna. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 286 p.
______. Auditoria Conceitos e Aplicações. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011. 684 p.
BRASIL. Lei. 6.404, de 15 de dez. de 1976. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2016.
______. Lei. 11.638, de 28 de dez. de 2007. Disponível em: . em: 18 out. 2016.
BERGAMINI Jr, Tomaz Wood. Gestão Empresarial. 7.ed. São Paulo: Elsevier, 2008. 619 p.
CFC. Objetivo da Auditoria Externa. em: : em 19 mar. 2016.
CFC. Conceito de Auditoria Interna. Disponível em: : em 07 ago. 2016.
CONTABILIDADE-FINANCEIRA. Sustentabilidade Disponível em: http://www. contabilidade-financeira.com/2008/10/sustentabilidade.html Acesso: em 04 set. 2016.
FERREIRA, Carolina Iwancow. Manual de Governança Corporativa Nacional e Internacional. São Paulo: D’ Plácido Editora, 2014. 347 p.
GIL, Antonio C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 197 p.
IBGC. Conceito de Governança Corporativa. Disponível em: . Acesso: em 19 mar. 2016.
______. Código das Melhores Práticas. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2016.
IBRACON - Instituto de Auditores Independentes do Brasil, Disponível: . Acesso: em 26 out. 2016.
JORNAL DO COMÉRCIO DO RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro, 02 outubro 2008 em: .: em 04 set. 2016.
KAUARK, Fabiana da Silva. Metodologia da Pesquisa: Um guia Prático. Bahia: Via Litterarum, 2010. 88 p.
KNBEL, P. Crise evidencia falta de efetividade da Governança Corporativa no País. Jornal do Comércio, Rio Grande do Sul, 12 ago. 2016. Folha Economia, p. 3.
MARQUES, Antonio Dirceu. Faculdades Integradas “Campos Salles”. Apontamentos das aulas de Governança Corporativa. São Paulo, segundo semestre 2016.
OLIVEIRA, Alexandre da Silva. Governança Corporativa e Mercado De Capitais: Uma Análise das Mudanças Institucionais e a Experiência Brasileira sos Anos 2000. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, 2016, N°17, 255-271.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Governança Corporativa na prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015. 348 p.
ROSSETTI, J. P.; ANDRADE. A. Governança Corporativa. 7.ed. São Paulo: Atlas,2014. 612p.
SHLEIFER, A.; VISHNY, R. A survey of corporate governance. Journ of Fi 52: 737-783. 1997.
SCHURZ, Franklin de. Comportamento Organizacional Conceitos Básicos. São Paulo: Cengage, 2009. 478 p.
SILVA, Edson Cordeiro da. Governança Corporativa nas empresas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2012. 398 p. International Standard Book Number (ISBN) 978-85-224-6978-9
______. Relação Investidores e Governança Corporativa nas E. São Paulo: Atlas, 2012. 280 p.
SILVEIRA, A. Di Miceli. Governança Corporativa o Essencial p Líderes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.214p. International Standard Book Number (ISBN) 978-85-352-7936-8
Publicado
2017-06-30
Como Citar
LEITÃO, Manuel dos Santos et al. Governança corporativa internacional: uma análise das principais experiências. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 1, n. 19, p. 173-194, june 2017. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/456>. Acesso em: 24 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i19.456.