Governança corporativa internacional: uma análise das principais experiências

  • Manuel dos Santos Leitão FICS
  • Antonio Dirceu Marques FICS
  • Alexandre da Silva Oliveira FICS
  • Adriana Alves Valentim FICS
  • Camila Feliciano Vieira FICS
  • Janete de Almeida Luiz Manoel FICS
  • Mery Leia da Silva Lima de Almeida FICS

Resumo

O artigo analisa as principais experiências internacionais de Governança Corporativa. Para isso, são apresentados os objetivos, os princípios e o ambiente empresarial brasileiro, com uma comparação internacional. Na análise dos modelos internacionais de Governança Corporativa, constatou-se que, de maneira geral, na América Latina é predominantemente, empresas de controle familiar e de interesses pessoais, um entrave para a boa prática de governança. O modelo brasileiro comparado aos demais países têm poucas empresas lançadas na Bolsa de Valores. Mais especificamente no Brasil a Governança Corporativa ainda é um assunto novo, porém está evoluindo com rapidez. O modelo adotado no país guarda alguma semelhança com os sistemas Alemão e Japonês e é marcado por formas diferentes de movimentar o capital. No país as firmas têm conselhos de administração passivos, acionistas controladores, expropriação de minoritários e concentração de poderes e acumulação de funções da direção. Por outro lado, países com sistema considerado descentralizado como, por exemplo, os EUA – são dotados de conselhos de administração profissionais, com investidores institucionais, com uma melhor repartição dos dividendos, fragmentação do poder e especialização de funções das atividades da administração.

Publicado
Jun 30, 2017
Como Citar
LEITÃO, Manuel dos Santos et al. Governança corporativa internacional: uma análise das principais experiências. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 1, n. 19, p. 117-126, june 2017. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/456>. Acesso em: 26 sep. 2017. doi: http://dx.doi.org/10.22287/ag.v1i19.456.