A Aprendizagem Organizacional como fonte de reestruturação da Governança Relacional em Clusters

  • Dario Djouki FICS; USCS
  • Priscilla de Almeida Sanchez UNIP
  • Roberto Bazanini, Dr UNIP; PUC;
  • Andrea Akemi Oribe Hayashi UNIP; FESP

Resumo

O objetivo da pesquisa está em analisar como a aprendizagem organizacional pode se tornar fonte de reestruturação ampliação da governança relacional em clusters, a partir de uma visão estruturada da literatura. Trata-se de uma revisão bibliográfica baseada na literatura especializada, através de consultas a artigos científicos selecionados, por meio da análise bibliométrica no banco de dados do Scielo.O  problema da pesquisa busca responder uma questão central nas pesquisas em clusters: existem correspondências entre  o modelo dos fatores da competitividade (ZACARELLI, 2008) e o modelo da teoria da conversão do conhecimento (NONAKA e TAKEUCHI (1997) que podem influenciar a reestruturação da governança relacional? Os resultados da pesquisa indicam que os fatores de competitividade em interatividade com a conversão do conhecimento influenciam decisivamente na reestruturação da governança do cluster, visto que, a ampliação do conhecimento e da aprendizagem  favorecem a inovação do cluster e, em decorrência, a necessidade de mudanças significativas

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrando em Administração na Universidade Paulista - UNIP, MBA em Recursos Humanos na Universidade de São Caetano do Sul – USCS, Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Negócios pela UniSantanna

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Administração-Universidade Paulista (UNIP), MBA em Recursos Humanos pela Uninove e Pós Graduação em Gestão Financeira pela Universidade Paulista (UNIP).

##submission.authorWithAffiliation##

Pós Doutorado em Comunicação e Cultura pela Universidade Paulista – UNIP, Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC); Mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista.

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Administração – Universidade Paulista (UNIP), Pós Graduação em Gerência de Sistemas e Unidades de Informação – Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo – FESPSP

Referências

AMATO, João Neto; AMATO, Rita de Cássia Fucci. Capital Social: Contribuições e Perspectivas Teórico-Metodológicas para a Análise de Redes e Cooperação Produtiva e Aglomeração de Empresas. Revista Gestão Industrial. V.5, n. 1, p. 18-42. 2009.
ARIKAN, Andaç. A. Interfirm knowledge exchanges and the knowledge creation capability of clusters. Academy of Management Review, n 3, v4, p. 658-676. 2009
ARIKAN, Andaç; SCHILLING, Melissa. A. Structure and governance in industrial districts: implications for competitive advantage. Journal of Management Studies, 48(4), 772- 803. 2009

AYRES, Rosane Maria Soligo de Mello; POPADIUK, Silvio. Knowledgetransfer, Learning and Organizational Capabilities in an inter-organizational software Project; Organizações e Sociedade, vol.23 no.79, Salvador, 2016

BARNEY, Jay B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, p. 99-120. 1991.

BELL, Simon James. TRACEY Paul; HEIDE, Jan B.. The organization of regional clusters. Academy of Management Review, n. 34, v. 4. p. 623-642, 2009.

ESPINOSA, Maria Del Mar Benavides, SORIANO, Domingo Ribeiro. Cooperative learning in creating and managing joint ventures. Journalof Business Research. n. 67, p. 648–655, 2014

BIERLY, Paul et al. Organizationa llearning, knowledge and wisdom. Journal of Organizational Change Management, v. 13, n. 6, p. 595-618, 2000.

BRITTO, João Nogueira de Paiva. Cooperação tecnológica e aprendizado coletivo em redes de firmas: sistematização de conceitos e evidências empíricas. ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 29. Salvador, 2001.

CASSIOLATO, José Eduardo; LASTRES, Helena M.M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H.; MACIEL, M. L.(Comp.). Systems of innovation and development: Evidence from Brazil. Cheltenham, RU: Edward Elgar, 2003.

CUNHA, Júlio Araújo Carneiro; PASSADOR, João Luiz; PASSADOR, Cláudia Souza. Aprendendo a aprender coletivamente: novos paradigmas sobre a gestão do conhecimento em ambientes de redes. Desenvolvimento em Questão, v. 5, n. 10, p. 43-73, 2007.

DAS, T. K.; TENG. Bing Sheng. Between trust and control: Developing confidence in partner cooperation in alliances. The Academy of Management Review, v. 23, n. 3, p. 491-512, 1998.

DAIM, Tugrul.U., RUEDA, Guillermo.R.; MARTIN, Hilary T. Technology forecast in gusing bibliometric analysis and system dynamics. Technology Management: A Unifying Discipline for Meltingthe Boundaries, Jul./aug. 2005, p. 112-122.
DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DE LANGEN, Peter. Governance in seaport clusters. Maritime Economics & Logistics, 6 (2), p. 141-156, 2004.

DE PROPRIS, Lisa; WEI, Ping. Governance and competitiveness in the Birmingham jewellery district. Urban Studies, 44 (12), p. 2465-2486. 2007

FIGUEIREDO; João Carlos.; DI SERIO, Luis Carlos. Estratégia em clusters empresariais: conceitos e impacto na competitividade. In: DI SERIO, Luiz Carlos (org.). Clusters empresariais no Brasil: casos selecionados. São Paulo: Saraiva, 2007.
FIOL, Marlene. Consensus, diversity, andlearning in organisations. Organisation Science, v. 5, p. 403-420, 1994.
GEREFFI, Gary; LEE, Joonkoo. Economic and social upgrading in global value chains and industrial clusters: Why governance matters. Journal of Business Ethics, 133(1), 25-38. 2016

GONZALES, Rodrigo Valio Dominguez; MARTINS, Manoel Fernando; O Processo de Gestão do Conhecimento: uma pesquisa teórico-conceitual. Gestão Produção. vol.24 no.2 São Carlos abr/jun 2017 Epub Jan 26, 2017

GRANDORI, Anna; SODA, Giuseppe. Inter-firms networks: Antecedents, Mechanisms, and Forms. Organization Studies, v. 16, n.2, p. 183-214, 1995.

_________________________. A relational approach to organization design. Industry and Innovation, v. 13, n. 2, p. 151-172, 2006.

GRANOVETTER, Mark. Economic Action and Social Structure. The problem of embeddedness. American Journal of Sociology. V. 91, n. 3, 1985.

GULATI, Ranjay. Alliances and networks. Strategic Management Journal. V. 19, p. 93-317, 1998.

IACON, Antonio; NAGANO, Marcelo Seido. Cooperação, Interação e Aprendizagem no Arranjo Produtivo Local de Equipamentos e Implementos Agrícolas do Paraná. Interações. Campo Grande, v. 11, n. 2 p. 171-185, jul./dez. 2010.

JONES, Candace; HESTERLY, Willian S.; BORGATTI, Stephen P. General Theory of Network Governance: Exchange Conditions and Social Mechanisms. Academy of Management Review. V. 22 n. 4, 1997.

LAN, Wang; ZHANGLIU, Wang. Research on Interactive Learning, Knowledge Sharingand Collective Innovation in SMEs Cluster. International Journal of Innovation, Management and Technology, 3(1), 24. 2012

LOUBARESSE, Elodie. Influence dês Caractéristiques dês Pilotes de Réseaux Locaux d’Organisationssur Leur Rôles. Management International, v. 13, n.1, p. 85-96, 2008

MAIA, Paulo Ricardo da Silva; NOVAK, Franz Reis; ALMEIDA, João Aprígio; SILVA, Danielle Aparecida. Sistema de gestão do conhecimento para Rede Nacional de Bancos de Leite Humano. Ciências e Saúde Coletiva [online], vol.10, suppl., p.121-132. 2005

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997

OSBORN, Richard. E HAGEDOORN, John. The Institutionalization and Evolutionary Dynamics of Interorganizacional Alliances and Networks. Academy of Management Journal, v. 40, n. 2, p. 261-278, 1997.

POPPO, Laura; ZENGER, Todd. Do Formal Contracts and relational Governande Function as Substitutes or Complements. Strategic Management Journal, v. 23, p. 707 – 725, 2002.

PORTER, Michael. E. The competitive advantage of nations. New York: Free Press, 1990.

__________________. Clusters and the New Economics of Competition. Harvard Business Review, v. 76, n.1, p. 77-90, 1998.

REIS, Ana Paula; AMATO, João Neto; Aprendizagem por cooperação em rede: práticas de conhecimento em arranjos produtivos locais de software, Prod. vol.22 no.3 São Paulo mai/ago 2012.

RITTER, Thomas; WILKINSON, Ian; JOHNSTON, Wesley. Managing in complex business networks, Industrial Marketing Management, v. 33, p. 175 – 183, 2004.

SCHMITZ, Hubert. Collective efficiency and increasing returns. IDS Working Paper, Brighton, IDS, n.50, mar. 1997.

SENGE, Peter. A quinta disciplina. Arte e prática da organização que aprende. 9.ed. São Paulo: Best Seller, 2001.

TSAI, Wenpin; GHOSHAL, Sumantra. Social Capital and Value Creation: The Role of Intrafirm Networks. Academy of Management Journal, v. 41, n. 4, p. 464-476, 1998.

WEYMER, Alex Sandro Quadros; TORTATO, Ubiratã. Aprendizagem organizacional na área de suprimentos: um estudo na área de saúde do sul do Brasil. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 10, n. 2, p. 20-30, 2011.

ZACCARELLI, Sérgio Baptista; TELLES; Renato. SIQUEIRA, João Paulo Lara; BOAVENTURA, João Maurício Gama; DONAIRE, Denis. Clusters e redes de negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas, 2008

ZAHEER, Akbar; VENKATRAMAN, N. Relational governance as na interorganizational strategy: na empirical tes tof the role of trust in economic exchange. Strategic Management Journal, v. 16, p. 373-392, 1995.

ZLOTIN, Boris; ZUSMAN, Alla. Patterns of Evolution: Recent findings on structure and origin. Altshuller's TRIZ Institute Conference TRIZCON 2006. Milwaukee, April 29-May 2, 2006.
Publicado
2018-11-19
Como Citar
DJOUKI, Dario et al. A Aprendizagem Organizacional como fonte de reestruturação da Governança Relacional em Clusters. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 1, n. 21, p. 157-175, nov. 2018. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/787>. Acesso em: 11 dec. 2018. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i21.787.