A Música como Estratégia de Aprendizagem na Sala de Recursos Multifuncionais

  • Audrey Regina Ponce UNIFAI
  • Marjorie Cristina Ponde, Prof. UNIFAI

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar o Atendimento Educacional Especializado ofertado na Sala de Recursos e o uso da Música como forma de aprendizagem. A música é considerada instrumento e aliada no processo de ensino aprendizagem. É preciso administrar inúmeras variáveis, como disponibilidade de recursos didáticos, a disciplina ou indisciplina da turma, a inserção da aprendizagem na rotina da escola e sua tradução em vivências significativas para o aluno e o professor. A música pode aprimorar o processo de ensino e aprendizagem por torná-lo prazeroso, pode proporcionar a intencionalidade e papel ativo da criança no ato de aprender, por aguçar a criatividade e sensibilidade infantil. Promove também o vínculo entre professor e aluno. O ambiente escolar deve, portanto, propiciar diversas linguagens artísticas como ferramenta psicopedagógica, principalmente na sala de recursos multifuncionais. Os especialistas em inclusão escolar devem aprimorar seus conhecimentos teóricos acerca da música para propor atividades tais que criem condições para que os alunos explorem as linguagens musicais, as interações sociais, e estimulem a criatividade e não a produtividade, tornando sólido e eficaz o processo ensino-aprendizagem.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-graduada em Psicopedagogia (Unifai), Educação Inclusiva (Uninove) e Musicoterapia (FAETI). Licenciada em Pedagogia (FSA) e Magistério (EEPAM). Atua na Educação Pública como Professora Alfabetizadora desde 1995 e como Diretora de Escola desde 2006.

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-graduada em Psicopedagogia (UNIFAI), Educação Especial deficiência Múltipla (Faculdade Einstein de Limeira), Violência Doméstica com crianças e adolescentes (USP), Musicoterapia (FAETI), Licenciatura Plena em Pedagogia (UNICAPITAL) e Magistério (Colégio Magister). Atua na Educação desde 1995, como professora de Educação Especial desde 1998 na APAE e AACD. Atualmente trabalha na rede pública como professora Especialista em Educação Especial (Sala de Atendimento Especializado) desde 2010.

Referências

ALVES, R. Concerto para corpo e alma. Campinas: Papirus, 1998
ALVIN, J- Musicoterapia. Buenos Aires: Paidos, 1967
BARCELLOS, L.R.M- Cadernos Musicoterapia n° 1 Rio de Janeiro : Enelivros, 1992.
BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica/ Secretaria de educação Especial- MEC, SEESP, 2001.
BRASIL. Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência- Corde. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília-1994.
BRASIL, MEC. Sala de Recursos Multifuncionais. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12295&Itemid=595>. Acesso em 5 ago.2018
BRASIL, Ministério da Educação. Plano de Ações Articuladas. Disponível em:
. acesso em 5 ago.2018.
BRASIL. MEC, PAR. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/par. Acesso em 5 ago.2018.
BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil. 7 ed São Paulo: Ed. Petrópolis, 2013.
DECKERT, Marta- Educação Musical: da teoria à prática na sala de aula- 1ª edição- São Paulo: Moderna, 2012
FACION, José Raimundo. Inclusão Escolar e Suas Implicações. 2 ed. Ver. E atual- Curitiba:
IBPEX , 2009.
FREIRE, Marina Horta, OLIVEIRA, Gleisson do Carmo de, PARIZZI. Maria Betânia. Música e Autismo: um relato de experiência entre a musicoterapia e a educação musical especial. In Revista Brasileira de Musicoterapia / União Brasileira das Associações Musicoterapia. – v. 1, n. 1, (1996). – Curitiba, Ano XIX, ed. especial, (2017). Disponível em: < http://www.revistademusicoterapia.mus.br/wp-content/uploads/2018/04/Revista-Brasileira-de-Musicoterapia_2017-EE.pdf>. Acesso em 20 ago.2018.
GIL, Antonio Carlos- Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas 2008.
KELMAN, Celeste Azulay. Desenvolvimento humano, educação e inclusão escolar. Brasília : Ed UNb , 2010
LEINIG, Clotilde Espínola. A música e a ciência se encontram: um estudo integrado ente Música a Ciência e a Musicoterapia. São Paulo, 2008
LOURO, Viviane dos Santos. Educação Musical e Deficiência: propostas pedagógicas. São José dos Campos: Estúdio dois, 2006. in Educação musical e deficiência: quebrando os preconceitos. Disponível em: < https://musicaeinclusao.files.wordpress.com/2013/06/educacao_musical_e_deficiencia_quebrando_os_preconceitos.pdf>. Acesso em 30 ago.2018
LURIA. Alexandr Romanovich. Pensamento e linguagem: as últimas confercias de Luria. Porto Alegre: Artes Médics, 1996.
MARQUES, Carlos Alberto. Integração: uma via de mão dupla na cultura e na sociedade. In. Mantoan. Maria Teresa Eglér. A integração de pessoas com deficiência; contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon: Ed. Senac. São Paulo, 1997.
MANTOAN. Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar : o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna , 2003.
MASINI. Elcie F.Salzano. Integração ou desintegração? Uma questão a ser pensada sobre a educação do deficiente visual. In. Mantoan. Maria Teresa Eglér. A integração de pessoas com deficiência; contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon: Ed. Senac. São Paulo, 1997.
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2004
SOARES Lisbeth. Música e deficiência: propostas pedagógicas para uma prática inclusiva. In Revista Brasileira de Educação Especial. Disponível em . Acesso em 8 ago.2018.
Publicado
2018-10-30
Como Citar
PONCE, Audrey Regina; PONDE, Marjorie Cristina. A Música como Estratégia de Aprendizagem na Sala de Recursos Multifuncionais. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 1, n. 21, p. 245-266, oct. 2018. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/821>. Acesso em: 05 dec. 2019. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i21.821.