As mudanças na empresa: por que elas são raras e tardias?

  • Mauro Maia Laruccia

Resumo

Este artigo desenvolve uma reflexão sobre as dificuldades de mudanças nas empresas, traçando um paralelo entre imaginação criativa, inovação e mudança organizacional, detendo-se, em particular, na importância da cultura organizacional como um fator inibidor ou estimulador das mudanças. O artigo conclui apresentando vários pré-requisitos básicos, para se conseguir mudar com sucesso.

##submission.authorBiography##

Mauro Maia Laruccia
Doutorando em Comunicação e Semiótica-PUC, SP. Mestre em Administração: Administração e Planejamento. Especialista em Marketing. Bacharel em Administração. Coordenador do Curso de Administração em Comércio Exterior das Faculdades Integradas "Campos Salles".

Referências

BEER, Michael; EISENSTA T, Russell A; SPECTOR, Bert. Por que programas de mudança não produzem mudanças. In: HOWARD, Robert et al. Aprendizado Organizacional: gestão de pessoas para a inovação contínua. (Trad.) Bazán Tecnologia e Lingüística. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p. 229-244.
BROWN,]. S.; UGUID, P. Organizationallearning and communities of practice: toward a unifield view of working, learning, and innovation. Organization Science, 2(1), 1991:40-57.
ENGEL, James F.; BLACKWELL, Roger D.; MINIARD, Paul W Comportamento do consumidor. (Trad.) Christina Ávila de Menezes. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
KANTER, R.M. The changc mastcrs. New York: Simon & Schuster, 1989.
LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico da Filosofia. (Trads.) Fátima de Sá Correia et al. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
MONTANA, Patrick J.; CHARMOV, Bruce H. Administração. (Trad.) Robert Brian Taylor. São Paulo: Saraiva, 1999, p. 306-320.
MOREIRA, Júlio César Tavares; OLIVIERI NETO, Rafael. (Coords.) Marketing business to business: é fazer ou morrer. São Paulo: Makron, 1998.
MORIN, Edgar. O Método 4. As idéias: habitat, vida, costumes, organização. (Trad.) Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 1998.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organização e métodos: O&M uma abordagemgerencial. São Paulo: Atlas, 1998.
OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criaçclo. São Paulo: Vozes, 1987.
PINCHOT, G., III. Intrapreneuring. New York: Harper Collins, 1985.
QUINN, J.B. Strategies for change: logical incrementalism. Homewood, Ill: Business One Irwin, 1980.
ROOT-BERJ"JSTEIN, Michele; ROOT-BERNSTEIN, Robert. Sparks of genius: the 13 thinking tolls of the world's most creative people. Houghton, 1999.
SALLES, Cecília Ameida. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Annablume, Fapesp, 1998.
STREBEL, Paul. Breakpoints: How managers exploit radical business change. ln: FINANCIAL TIMES. Dominando administração. São Paulo: Makron, 1999, p. 526-532.
Como Citar
LARUCCIA, Mauro Maia. As mudanças na empresa: por que elas são raras e tardias?. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 3, p. 58-65, aug. 2012. ISSN 2316-3852. Disponível em: <http://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/94>. Acesso em: 20 sep. 2020. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v0i3.94.