Língua dos ciganos - Clã dos Cesteiros

  • Álvaro Fernando Rodrigues da Cunha Universidade San Diego - California

Resumo

Existe uma curiosidade quando se fala em língua cigana ou língua dos Kalõs, uma civilização milenar, que não falam um idioma único, pois, espalhados pelo mundo, o mesmo povo fala em várias línguas.E, a depender da comunidade, no que diz respeito ao aspecto linguístico, uma muda potencialmente de outra que pode, inclusive, ter os seus membros morando no mesmo arraial, por exemplo. No caso da pesquisa, a descrição que se verá no desenrolar da investigação foi totalmente estribada no clã dos ciganos fixados temporariamente no município de Arthur Nogueira, SP. Não disseram de onde vieram nem para aonde seguirão. Nem eles sabem por quanto tempo ficarão residindo nesse município, pois são nômades urbanos, isto é, não se fixam em lugar nenhum, e basta amanhecerem com a vontade de se mudarem daquele lugar para que isso se torne realidade. São instáveis e não se apegam a nada. Foi aproveitada a permanência deles no município supramencionado para se fazer o levantamento de dados a respeito da língua que falam.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Pós-doutor em Etno-antropo-linguística. Atual cientista Pesquisador e professor da Aliant International University – Universidade San Diego – Califórnia. Doutor em Língua Portuguesa. USP, 2010. Mestre em Língua Portuguesa. USP, 2008. Graduado em Letras. Universidade da Amazônia, 2002. Domina fluentemente Inglês,  espanhol, e grego. De 2012 a 2013 foi Cientista da Unicamp na criação da TeCOE® -Teoria de Cruzamento em Oralidade e Escrituralidade - Unicamp. E pesquisador no Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação - LEER-USP. Publicou três livros sobre Etno-antropo-linguista nas tribos indígenas.s

Referências

BARTH, F. Teorias da Etnicidade seguido de Grupos Étnicos e suas Fronteiras. São Paulo: Editora da Unesp, 1998.
CÂMARA Jr., J. M. Princípios de Lingüística Geral. Rio de Janeiro: Padrão, 1977.
CHOMSKY, N.; HALLE, M. The Sound Pattern of English. New York: Harper & Row, 1968.
CLEMENTS, G. N.; KEYSER, S. J. A generative Theory of the Syllable. Cambridge: The MIT Press, 1983.
DEMETRIOU, S. ? ??????? ??? ???????? V: ??????-????, ???????????, ?????, 2000.
FEDERBUSH, S. ?????? ?????? ?????? ?????. Jerusalem: Mosad Harav Kook, 1967.
GOLDSMITH, J. A. Autosegmental and Metrical Phonology. Cambridge: Blackwell, 1990.
International Phonetic Association. Handbook of the International Phonetic Association. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
?PAMPINIOTES, G. ????????? ???????????. ???????? ???? ???????? ??????????? (?????),
1980.
NINYOLES, R. I. Idioma y poder social. Madrid: Editorial Tecnos, 1972.
ROSENTHAL, R. ????? ????? ?????. Jerusalem: Keter, 2005.
STERN, N. Meaning and change of meaning. Hamburgo: Göteborg, 1931. TROUBETZKOY, N. S.
Grundzüge der phonologie. Paris, 1939.
TRUDGILL, P. Sociolinguistics: An introduction. London: Penguin, 1984. WARDHAUGH, R. Languages in competition. Oxford: Blackwell, 1987.
Publicado
2014-12-26
Como Citar
CUNHA, Álvaro Fernando Rodrigues da. Língua dos ciganos - Clã dos Cesteiros. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 14, p. 77-114, dec. 2014. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/238>. Acesso em: 21 june 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i14.238.

Palavras-chave

Kalõs ou língua do clã dos ciganos; aspecto linguístico do povo cigano; nômades urbanos