Do revolucionário juvenil ao evolucionário geracional: aproximações e protagonismo social da geração X à geração Y

  • Valeria Brandini Faculdade ENIAC-SP

Resumo

Este artigo constitui uma reflexão teórica sobre a Geração Y, ou Geração Internet, seu protagonismo na sociedade contemporânea e o processo de passagem de produtor cultural marginal a agente de inovação no grande mercado que esta desempenha atualmente, tendo como foco neste trabalho, a perspectiva, subsidiada em estudos sobre as gerações anteriores, de que este processo iniciara-se já na Geração X, que revelava-se como uma geração autoral pela apropriação das novas tecnologias de comunicação e produção, advento que consolidara-se e ampliara-se na Geração X.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Socióloga pela UNICAMP. Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação pela USP. Pesquisadora e Profa. de Comunicação da Faculdade Eniac.

Referências

AMARAL, Adriana. “Autonetnografia e inserção online: o papel do pesquisador-insider nas pra?ticas comunicacionais das subculturas da Web”. revista Fronteiras – estudos midia?ticos 11(1): 14-24, janeiro/abril 2009
BARREHAG, Lisa, Et. ali. “Accelerating Success: A Study of Seed Accelerators and Their Defining Characteristics”. Department of Technology Management and Economics. Division of Innovation Engineering and Management. Bachelor Thesis.
Chalmers University Of Technology. Gothenburg, Sweden. 2012
BRANDINI, Valeria. “Rock alternativo: do Underground a MTV (mercado cultural, produção e tendências do rock dos anos 90)”. Dissertação de Mestrado defendida na Escola de Comunicações e artes da USP. Orientador: Waldenyr Caldas. MIMEO. São Paulo. 1999.
________________.
CANEVACCI, Massimo. Cultura eXtrema, Mutazione Giovanili tra i corpi delle metropoli. Roma. Meltemi editore. 1999
FINOTTI, Marcelo. “Contribuições Ao Estudo Dos Estilos De Vida: Comportamento de Compra e Uso de Crédito”. Tese de doutorado defendida na Faculdades de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Orientador: Celso Grisi. MIMEO. São Paulo, 2009.
IANNI, Octávio. “A desterritorialização”, in A Sociedade Global. Campinas, Civilização Brasileira, 1992.
KEMP, Kênia. “Os grupos de estilo”, in Grupos de Estilo Jovens: O Rock Underground e as Práticas (Contra) Culturais dos Grupos “Punks” e “Thrash” em São Paulo. Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Campinas, 1993.
MATZA, David. “As tradições Ocultas da Juventude”, em Sociologia da Juventude III. Rio de Janeiro, Zahar, 1980.
MCLUHAN, Marshall. “Os meios de comunicação: como extensões do homem”. Ed. Cultrix, São Paulo. 1974.
ROSZAK, Theodore. “A contracultura”. Petrópolis: Editora Vozes, 1972.
SHAH, Nishant. “PlayBlog: Pornography, performance and cyberspace. Cut-up. com Magazine”. Holanda, V.2.5, issue 42, 24 set. 2005.
TAPSCOTT, Don. “A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet esta?o mudando tudo, das empresas aos governos”. Rio de Janeiro: Agir Nego?cios, 2010.
Publicado
2014-12-26
Como Citar
BRANDINI, Valeria. Do revolucionário juvenil ao evolucionário geracional: aproximações e protagonismo social da geração X à geração Y. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 14, p. 261-267, dec. 2014. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/251>. Acesso em: 21 june 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v1i14.251.

Palavras-chave

reflexão teórica, Geração X, Geração X