APRENDIZAGEM NAS ORGANIZAÇÕES

  • Cimara Apostólico Campos Salles

Resumo

As empresas entendem o capital humano como diferencial competitivo na busca por práticas mais satisfatórias, por essa razão promovem treinamentos cujo foco principal é capacitar os indivíduos para desempenho com qualidade. Este artigo pretende discutir acerca da importância da gestão do conhecimento na aprendizagem organizacional. Para esse fim, foram feitas análises com base qualitativa analítica de caráter documental e bibliográfico. Como os indivíduos são complexos: agem e reagem de maneira diferente na apreensão das informações, são necessárias estratégias diversificadas que considerem o indivíduo, o meio e as circunstâncias, além disso, é imprescindível a realização de diagnóstico preciso e refinado por meio da experiência dos orientadores dos treinamentos. A gestão do conhecimento é o diferencial nas organizações, todavia, apesar de diversas pesquisas acerca desse assunto, ainda pode-se considerá-lo incipiente, uma vez que os estudos apenas apontam na direção do que se deve alcançar, mas cujo alvo ainda está bastante distante. 

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Comunicação e Semiótica. Graduada em Letras e Pedagogia. Possui Especialização em Docência do Ensino Superior e Língua Inglesa e MBA em Gestão Empresarial. Leciona na Faculdade Campos Salles nos cursos de Pedagogia e Administração. Também atua na Prefeitura de São Paulo como professora de Educação Infantil e Fundamental 1 e no Governo do Estado de São Paulo na disciplina de Língua Portuguesa e Literatura

Referências

ANDRADE, A.L. et al. Pensamento sistêmico: o desafio da mudança sustentada nas organizações e na sociedade. Porto Alegre: Bookman, 2006.

ANTONELLO, Claudia.S; RUAS, Roberto; BOFF, Luiz Henrique. Aprendizagem organizacional e comportamental. Porto Alegre: Bookman, 2005.
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia: geral e Brasil. 3. ed.São Paulo, Moderna: 2008.

CHIAVENATO, I Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos: como incrementar talentos na empresa. 7 ed. Barueri, SP: ed. Manole, 2010.

CHIAVENATO I. Administração nos novos tempos. 2. ed. Rio de janeiro: Elsevier, 2010.
DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 9. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.
DONADIO, M. Treinamento & Desenvolvimento total: ensinando as empresas a aprender. 2. ed. Rio de Janeiro: QualityMark, 1999.

DUBRIN, Andrew J. Fundamentos do comportamento organizacional. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2003.

GADOTTI, Moacir; ROMÃO José E. (Org.) Educação de Jovens e Adultos: teoria, prática e proposta. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

HAYDT. Regina Célia Cazaux. Curso de didática geral. 7. ed. São Paulo: Ática, 2001.

LOPES, I. (org.); Trindade A.B.; Cadinha M.A. Pedagogia empresarial: formas e contextos de atuação. 3 ed. Rio de Janeiro: Wak Ed, 2009.
MACÊDO, I.I de. et al. Aspectos comportamentais da gestão de pessoas. 7 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006

NOGUEIRA, Makeliny Oliveira Gomes. Aprendizagem do aluno adulto: implicações para a prática docente no ensino superior. Curitiba: Ibpex, 2009.

PIMENTA, Selma Garrido. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo, Cortez, 2009.

PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro. (Org.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

ROBBINS, S. Comportamento Organizacional. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
SANTIAGO JR. J.R.S. Capital intelectual: o grande desafio das organizações. São Paulo: Novatec, 2007.

SCHARF, E.R. Gestão do conhecimento aplicada ao marketing: como usar conhecimento e ações orientadas para o mercado no desenvolvimento de vantagens competitivas sustentáveis. Florianópolis: Visual Books, 2007.

SCHÖN, Donald. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto alegre: Artmed, 2000.
SENGE. P. et. al. Escolas que aprendem: um guia da quinta disciplina para educadores, pais e todos que se interessam pela educação. Porto Algre: Artmed, 2005.

ZABALA, Antoni. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Referencias Eletrônicas

SANTOS L.C. et. al. A remuneração flexível e a competitividade. Disponível em: . Acesso em 3 nov.2012.

UNESCO. Disponível em: . Acesso em 21 set.2011.

UNESCO. Disponível em: . Acesso em 21 set.2011.

VOGT, M.S.L, ALVES, E.D. Revisão teórica sobre a educação de adultos para uma aproximação com a Andragogia. Disponível em: . Acesso em 21 set.2011.

UNIVERSIDADE CORPORATIVA DO ESTADO DE GOIÁS. Acesso em 5 nov.2012.
Publicado
2015-12-29
Como Citar
APOSTÓLICO, Cimara. APRENDIZAGEM NAS ORGANIZAÇÕES. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 2, n. 16, p. 294-314, dec. 2015. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/299>. Acesso em: 22 june 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v2i16.299.

Palavras-chave

organização, indivíduos, gestão do conhecimento, treinamento