PARADIGMA EMERGENTE (HÓLON) E O MOVIMENTO DO PENSAMENTO NA PÓS-MODERNIDADE

  • Edson Fernandes Campos Salles

Resumo

A complexidade do cenário pós-moderno em seus conceitos e atribuições, referendada por pesquisadores, como Edgar Morin, Gilles Deleuze, Teilhard de Chardin, Ken Wilber e Henri Bergson abre um espaço para o debate das construções do paradigma emergente ou paradigmas emergentes, levando-nos a um processo de reflexão sobre o conceito de hólon, e sua relação com a configuração atribuída à ciência contemporânea. O universo digital é a água que rompeu o dique, e provocou uma inundação de mudanças na sociedade e na cultura, obrigando-nos a rever nossas crenças, valores, princípios e relações sociais. A ciência se tecnologizou e a tecnologia se fez ciência pós-moderna. O ciberespaço é o local de encontros, troca de informações, de convivência social, do pensamento. É o território do nômade, que transita livremente no universo virtual, configurando uma sociedade da tecnocultura, da era da informação, de um paradigma jamais visto antes. Um paradigma que apenas a pós-modernidade poderia concebê-lo em sua complexidade, sem deixar de debater seus limites e fragilidades no pensamento humano.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em comunicação e Mestre em Educação. Graduado em Publicidade propaganda e Marketing. Professor das Faculdades Integradas Campos Salles. Escritor e autor de livros de literatura e nas áreas de sociologia, política e psicossociologia. É pesquisador. Membro do conselho de revistas científicas e avaliador do INEP/MEC e do Conselho Estadual de Educação de São Paulo.

Referências

1. BERGSON, Henri. Introdução à metafísica. In: LEOPOLDO, Franklin (org.). Henri Bergson. São Paulo, Abril Cultural, 1979.
2. CHARDIN, Pierre T. de. O fenômeno humano. São Paulo, Cultrix, 1995.
3. CHAUI, Marilena. Introdução à filosofia: dos Pré-Socráticos a Aristóteles vol.1. São Paulo, Cia das Letras, 2002.
4. DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil platôs. Vol. 1. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1995.
5. ________________________________. Mil platôs vol. 2. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1997.
6. ________________________________. Mil platôs vol. 3. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1999.
7. ________________________________. Mil Platôs Vol. 4. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1997.
8. ________________________________. Mil platôs. Vol. 5. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1998.
9. ________________________________. O que é filosofia? Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993.
10. DOMINGUES, Diana. A Caixa de Pandora e as tramas da vida nas redes telemáticas. In: MEDEIROS, Maria Beatriz de (org.). Arte e Tecnologia na Cultura Contemporânea. Brasília, UNB/Dupligráfica, 2002, p.136-147.
11. FERNANDES, Edson. Estruturas mitopoiéticas e performance no espaço telemático. In: Memória ABRACE VII: Anais do III Congresso Brasileiro de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas. Florianópolis, Outubro/2003, p. 67-69.
12. GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo, Ed. 34, 2000.
13. GUSDORF, G. Mito e metafísica. São Paulo, Convívio, 1980.
14. HAWKING, Stephen. O universo numa casca de noz. São Paulo, Arx, 2002.
15. HEISENBERG, Werner. Física e filosofia. Brasília, Ed. Universidade de Brasília, 1995.
16. KECKHOVE, Derrick de. Connected Intelligence – The arrival of the web society. In: Somerville House Publishing a divison of Somerville House Books Limited. Toronto, Ontario, s/d.
17. ____________________. O senso comum, antigo e novo. In: PARENTE, André (org.). Imagem Máquina. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993, p. 56 - 64.
18. KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo, Perspectiva, 1989.
19. LAO TSÉ. Tao Te King. São Paulo, Attar, 1995.
20. LEMOS, André. As estruturas antropológicas do cyberespaço. http://facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/estrcyl.html. Salvador, 1999.
Acesso em mar 2004.
21. LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1993.
22. ___________. Cibercultura. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1999.
23. ___________. O que é virtual. Rio de Janeiro, Ed. 34, 2001.
24. MORIN, Edgard. La méthode III: la connaissance de la connaissance. Paris, Sevil, 1985.
25. ______________. O método IV: as idéias. Lisboa, Europa-América, 1991.
26. PAULA CARVALHO, J. C. A antropologia das organizações e educação: um ensaio holonômico. São Paulo, 1989. Tese (Livre-Docência em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1989.
27. PRIGOGINE, Ilya e STENGERS, I. Entre o tempo e a eternidade. São Paulo, Cia das Letras, 1992.
28. WERTHEIM, Margaret. Uma história do espaço de Dante à Internet. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2001.
29. WILBER, Ken. Uma breve história do universo. Rio de Janeiro, Nova Era, 2001.
30. WILBER, Ken (org.). O paradigma Holográfico e outros paradigmas. São Paulo, Ed. Cultrix, 1995.
Publicado
2015-12-29
Como Citar
FERNANDES, Edson. PARADIGMA EMERGENTE (HÓLON) E O MOVIMENTO DO PENSAMENTO NA PÓS-MODERNIDADE. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 2, n. 16, p. 315-332, dec. 2015. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/300>. Acesso em: 22 june 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v2i16.300.

Palavras-chave

Paradigma, Hólon, Pensamento Humano, Cibercultura, Universo Digital, Internet