UMA SALA DE AULA NA PROPOSTA DE ENSINO MODULAR : ESPAÇO A SER RETOMADO

  • Maria de Fátima Ramos de Andrade

Resumo

Sistema de Ensino Modular, considerando o reflexo desse sistema no trabalho em sala de aula. Para tanto, acompanhamos duas classes de 5ª série, localizadas em duas escolas públicas do Estado de São Paulo ( uma Modular e outra Regular ) , utilizando os seguintes instrumentos metodológicos: observação em sala de aula, questionários respondidos pelo corpo discente e docente e entrevistas com alunos da Escola Modular. Os dados foram analisados em função das categorias que foram se constituindo ao longo das observações em sala de aula : interação professor/aluno, organização do trabalho docente, relação do professor e do aluno com o conhecimento, tendo em vista a linguagem como mediação e como processo de ação que é social. Da análise, podemos afirmar que: 1) A qualidade da interação social que se estabeleceu nas classes observadas dependeu mais das concepções de linguagem/conhecimento assumidas pelas professoras, do que de uma mudança na estrutura da escola. 2) Os resultados mais satisfatórios no processo de ensino foram observados no trabalho que a professora da Escola Regular desenvolveu em sala de aula, ou seja, sua formação, sua experiência e seu compromisso é que determinaram.)) Os projetas pedagógicos apresentados pelas escolas não foram construídos coletivamente. Embora existam projetas documentados, não foi possível estabelecer relações entre documentos e as ações desenvolvidas pelas professoras observadas. 4) Os alunos da Escola Modular referem-se às vantagens desse sistema, em termos da possível facilitação decorrente do fato de terem de cursar apenas uma disciplina durante o período letivo, sem pouparem críticas ao cansaço entediante que vem marcando as aulas. Assumem, entretanto, as responsabilidades pelos seus fracassos. A pesquisa aponta, também, a necessidade de se repensar a implantação de projetas pedagógicos construídos fora dos contextos em que serão implementados.

##submission.authorBiography##

Maria de Fátima Ramos de Andrade
Mestre em Educação - Área de Didática. Especialista em Educação e Saúde Pública. Professora das Faculdades Integradas "Campos Salles".

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza D. A. de. Etnografia da Prática. Campinas, São Paulo: Papirus,1995.
AZENHA, Maria da Graça. Construtivismo de Piaget a Emilia Ferreiro. São Paulo: Ática, p. 17-33, 1994.
BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, p. 48-66 e p. 110-127, 1995.
BRITTO, Luiz Percival Leme. Fugindo da norma. Campinas: Atamo, 1991.
CALKINS, Lucy McCormick - A arte de ensinar a Escrever - O desenvolvimento do discurso escrito - Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.
CHARI-OT, Bernard. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. ln: Caderno de Pesquisa, São Paulo,- no. 97, p. 47-63, maio, 1996.
CITELLI, Adilson Odair - O ensino de linguagem verbal : em tomo do planejamento. ln: Questões de Linguagem . Org. de Martins Helena Martins, São Paulo: Contexto, p. 11-17, 1991.
COLL, C.y SOLÉ, I. La interacción profesor alumno en el proceso de enseii.anza y aprendizage. ln: .... Desarrollo Psicológico y Educación,II. Madrid, Espanha: Alianza Editorial S.A., 1991.
DAVIS, Claudia , SILVA, Maria Alice Setúbal e ESPÓSITO, Yara. Papel e Valor das Interações sociais em sala de aula. ln: Caderno de Pesquisa, São Paulo (71) : 49-54 Nov. 1989.
DELAMONT, Sara. Interação na sala de aula. Lisboa, Portugal: Livros Horizonte, 1987.
___. A pesquisa em sala de aula: uma crítica e uma nova abordagem. ln: Patto, M.H.S. (org.). Introdução à psicologia escolar, 2a. ed. São Paulo: T.A. Queiroz, 1985,p.378-398.
DIETZSCH, Mary J. M. e SILVA, Maria A.S . .Itinerantes e Itinerários na busca da palavra. ln: Caderno de Pesquisa, São Paulo, no.88, p.55-63, Fevereiro, 1994.
FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
GERALDI, J.W. Concepções de Linguagem e Ensino da Língua. ln: GERALDI, J.W,(Org). O Texto na sala de aula. Cascavel, Paraná: Assoeste/UNICAMP 1984.
___. Portos de passagem: linguagem, trabalho e ensino. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
GUDSDORF, Georges. Professores para quê?. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
HUTMACHER, W A escola em todos os seus estados: das políticas de sistema às estratégias de estabelecimento. ln.: Nóvoa, A., (org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 47-76.
JOBIN, S. e kramer, S . . O debate PiagetNygotsky e as políticas educacionais. ln: Cadernos de Pesquisa, São Paulo: n.77, p.69-80, Maio, 1991.
KLElMAN, Angela B .. Leitura: ensino e pesquisa. São Paulo: Pontes, 1989.
LAJOLO, M .. O texto·-não é pretexto. ln: ZlLBERMAN, Regina (org.)Leitura em crise na escola. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p.51-62.
___. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática S. A. , 1994.
LEITE, Lígia Chiappini M. e MARQUES, Regina M.H .. Ao pé do texto na sala de aula. ln: ZILBERMAN, Regina (org.). Leitura em crise na escola Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993, p.37-49.
LEONTlEV, A .. Os princípios do desenvolvimento mental e o problema do atraso mental. ln.: LEONTlEV, A . , VYGOTSKY, ___. LURIA, A. R. e outros. Psicologia e Pedagogia. São Paulo: Moraes, 1991, p. 59-76.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994, p.195-220.
UNO, Macedo. Ensaios Construtivistas. São Paulo: Casa do psicólogo, 1994, p. 63-79.LOPES, Harry Vieira. A prática do português no lo. grau: objetivos, conteúdos, metodologia e avaliação. ln: Murrie, Zuleika de Felice (org.). Universos da palavra. São Paulo: lglu, 1995, p.95-167.
LUCKESI, Cipriano Carlos. Subsídios para a organização do trabalho docente. ln: Revista Idéias no.l1, FDE., 1991, p.88-1 03.
MARTINS, M. H .. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1996.
MASETTO, Marcos. Didática: a aula com o centro. São Paulo: FTD, 1994, p.76-83.
MURRIE, Zuleika de E . (org.) . O ensino de português do primeiro grau à Universidade. São Paulo: Ensino Contexto, 1992.
NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. ln.: Nóvoa, A. (org.) Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 15-33.
___. Para uma análise das instituições escolares. ln.: Nóvoa, A. (org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 13-43.
___. Os professores e suas histórias de vida. ln.: Nóvoa. A. (org) . Vidas de professores. Porto: Porto, 1995, p. 11-25.
OLIVEIRA, M. K. de . Vygotsky :Aprendizado e desenvolvimento processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1993.
PIMENTA, Selma Garrido. Questões sobre a organização do trabalho na Escola. ln: Revista Idéias n. 16, FDE, São Paulo: p.78-83.
PINO, Angel - O Conceito de Mediação Semiótica em Vygotsky e seu papel na explicação do Psiquismo Humano. Cadernos Cedes Campinas 24- Pensamento e Linguagem Est. na perspectiva da Psicologia Soviética Março 1991 - pag. 32-43
SALES, Maria Rita N. 0 .. A sala de aula como objeto de análise na área da didática. ln: SALES, Maria Rita N. 0., org. Didática: Ruptura, Compromisso e Pesquisa. Campinas, São Paulo: Papirus, 1993, p. 35-62.
SANTOS, Wladir. Ensino Modular- Uma resolução brasileira na educação. Campinas: Edilap, 1994.
SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação- Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta Curricular para o ensino de língua portuguesa para o lo. grau. São Paulo: SE/CENP, 1991.
___. Estudo Avaliatório das Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino com Organização Didático-Pedagógica estru tura em Módulos. São Paulo, SE/CENP, 1994.
SILVA, Lilian L. M. da. (org.). O ensino de Língua Portuguesa no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1986.
TENCA, Sueli Cotrim. O ensino através de módulos na escola-padrão ]oãoXXIII: estudo e acompanhamento de um projeto em implantação. São Paulo: SE/CENP, 1994.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1995, p. 11-35.
VEIGA, L P. A .. Projeto Político- pedagógico da escola- uma construção possível. Campinas: Papirus, 1995, p. 11-35.
VIEIRA, Yara E . Recepção ativa de textos: uma forma de diálogo. ln.: Subsídios à proposta Curricular de Língua Portuguesa para o 1o. e 2o grau. São Paulo: 3 vol., SE/CENP, 1988.
VIGNER, Gerald .. Intertextualidade, norma e legibilidade. ln: GALVES, C. O texto, leitura e escrita. Campinas: Pontes, 1988.
YGOTSKY,L.S. A Formação Social da Mente- São Paulo: Martins Fontes 1994.
___. Pensamento e Linguagem- São Paulo: Martins Fontes, 1995.
Como Citar
ANDRADE, Maria de Fátima Ramos de. UMA SALA DE AULA NA PROPOSTA DE ENSINO MODULAR : ESPAÇO A SER RETOMADO. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 18-34, aug. 2012. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/69>. Acesso em: 21 june 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v2i1.69.