Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio: avaliação de documento

  • Ângela Maria Martins

Resumo

Este texto pretende oferecer algumas contribuições para o debate sobre as mudanças propostas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais elaboradas para a reforma do ensino médio no Brasil. Na primeira parte, avalia-se o cenário político e econômico, como contexto gerador da última etapa de reformas no âmbito da educação, nos anos 90. Pretende-se questionar a opção por um modelo de reforma de estrutura (no caso brasileiro mais restrita ao Programa de Reforma da Educação Profissionalizante - PROEP) e de currículo, cujos temas encontram justificativa no contexto econômico, social, cultural e político contemporâneo. Discute-se a utilização de um "modelo" que toma por base experiências desenvolvidas em outros países, e por referência teórico-metodológica as orientações internacionais de organismos multilaterais, desconsiderando as peculiaridades e injunções do sistema administrativo-político brasileiro, medida política essa que pode aumentar a tensão e a distância normalmente existentes entre programas de governo e a possibilidade de sua concretude na rede escolar. Na segunda parte, discute-se a Resolução do Conselho Nacional de Educação, da Câmara de Educação Básica, n. 3, de 16.6.98, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o ensino médio, bem como as Bases Legais - Parte I - dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. A análise do discurso oficial toma como referência metodológica a proposição de Bardin (1977, p. 209) para os modelos de análise estrutural, procurando-se relevar os valores implícitos e as conotações dos textos legais.

##submission.authorBiography##

Ângela Maria Martins
Doutora em Educação (Administração e Supervisão Escolar). Mestre em Educação (Administração Escolar); bacharel em Ciências Sociais e Políticas. Professora das Faculdades Integradas "Campos Salles" e Pesquisadora da Fundação Carlos Chagas.

Referências

ALMEIDA, L. E de. Entre o local e global: poder e política na atual fase de transnacionalização do capitalismo. ln: DOWBOR, L. IANNI, O.; REZENDE, E. A. (org.). Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 175-86.
APEOESP. Revista de Educação. São Paulo: APEOESP, n. 10, abr., 1999.
ARGENTINA. Ministerio de Cultura y Educación. Contenidos básicos comunes para educación general básica. Argentina, 1994.
AZANHA, J.M.P. Parecer sobre os Parâmetros Curriculares Nacionais. São Paulo: CEE/SP, 1996. (mimeo.)
BALL, S ]. Cidadania global, consumo e /Jolítica educacional. São Paulo: APEOESP, 1999. [trabalho apresentado na II Conferência Estadual de Educação.]
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BERNARDO, ]. Economia dos conflitos sociais. São Paulo: Cortez, 1991.
BIRD. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial. Washington DC, 1995.
BRASIL Leis, Decretos etc. Decreto n. 2.208/97. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 5.692/71.
___. Leis, Decretos etc. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9.394/96 .
___. Parecer n. 15/98.
BRASIL Ministério da Educação e Desporto. Conselho Nacional da Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 3 de 26/06/98
___. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília: MEC, 1998.
___. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para 1 ªa 4ª séries. Brasília: MEC, 1998.
BRASIL Ministério de Educação e Desporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para 5ª a 8ª séries. Brasília: MEC, 1998.
___. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Discutindo uma concepção curricular para o ensino médio: documento preliminar. Brasília, 1997.
___. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Parte I- Bases Legais. Brasília, 1999.
CALAME, P. Transferências de tecnologia entre o norte e o sul: onde estão os mediadores? ln: WITKOWSKI, N. et ai. (org.). Ciência e tecnologia hoje. São Paulo: Ensaio, 1995, p. 433-37.
CARNOY, M.; CASTRO, C. de M. Documento de antecedentes para el Banco Interamericano de Desarrollo. Buenos Aires, 1996.
CHILE. Ministerio de Educación. Programa de mejoramiento de la calidad en esculeas básicas de sectores pobres: (programa de 900 escuelas). Santiago dei Chile, 1991.
CUNHA, L A Os Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental: convívio social e ética. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Cortez; FCC, n. 99, p. 60-73, nov. 1996.
DRAIBE, S. Brasil: o sistema de proteção social e suas transformações recentes. Campinas: Núcleo de Estudos em Políticas Públicas; UNICAMP; CEPAL, 1992 (mimeo.).
ESPANHA Ministerio de Educación y Ciencia. Adaptaciones curriculares: primaria. Madrid, 1992. Área de conocimiento del media. Madrid, 1992.
____ . Transversales: educación para la igualdad de oportunidades de ambos os sexos. Madrid, 1992.
____ . Transversales: educación para la salud- educación sexual. Madrid, 1992.
ESPANHA Ministerio de Educación y Ciência; OCDE. Escuelas y calidad de la ensenãnza. Barcelona: Paidós, 1991.
FERRETII, C.]. Formação profissional e reforma do ensino técnico no Brasil: anos 90. Educação e Sociedade, v.18, n. 59, ago. 1997.
FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977.
FRJGOTIO, G. Educação e formação técnico-profissional frente à globalização excludente e o desemprego estrutural. Revista de Educação. São Paulo: Apeoesp, n. 1 O, p. 4-17, abr. 1999.
GARRETÓN, M. A A Pontos fortes e fracos dos novos consensos sobre educação. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Cortez; FCC, n. 101, p. 113-28, jul.1997.
HARVEY, D. Condição pós-modema. São Paulo: Loyola, 1996.
IANNI, O. A política mudou de lugar. ln: DOWBOR, L; IANNI, O. e REZENDE, P. E. A (org.). Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 17-27.
___. A Sociedade global. Petrópolis: Vozes, 1995.
KAUFMANN, E Metodologia das ciências sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.
MARTINS, A M. A política do conhecimento: a identidade do saber e as reformas educativas. ln: UNHARES, C. (org.). Políticas do conhecimento. Niterói: Intertexto, 1999, p. 71-101.
___. Educação e diretrizes de mudança: possibilidades e limites do Estado. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo: FCC, n. 15, p. 7-55, jan./jun.1997.
___. Mudança, resistência e educação: práticas profissionais e limites do Estado. São Paulo, 1996. Dissertação (Mestrado) FE/USP.
MIRANDA, M, G. O Novo paradigma de conhecimento e as políticas educativas na América Latina. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Cortez; FCC, n. 100, p. 37-49, mar.1997.
MONTERO, P. Reinventando as diferenças num mundo global. ln: DOWBOR, L; IANNI, O. e REZENDE, P. E. A (org.). Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 231-6.
ORGANIZACIÓN DE ESTADOS IBEROAMERJCANOS/OEI PARA LA EDUCACIÓN, LA CIENCIA Y LA CULTURA. Governabilidade democrática e dos sistemas educacionais. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Cortez; FCC, n.100, p.121-49 mar.1997.
___. II Reunion Subregional sobre la ensenãnza de la filosofia en el nível medio. Mar dei Plata, 1998.
ORTIZ, R. Mundialização, cultura e política. ln: DOWBOR, L; IANNI, 0., REZENDE, P. E. A (org.). Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 270-5.
OTTONE, E. Repensar la educación secundaria. UNESCO; Ministerio de Educación: Santiago dei Chile, 1996. (mimeo)
POPKEWITZ, T.S. Reforma educacional: uma política sociológica - poder e conhecimento em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
ROPÉ, F.; TANGUY, L. Saberes e Competências. Campinas: Papirus, 1998.
SANTOMÉ,]. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta Curricular de Física. São Paulo.
SIQUEIRA, M. M. de. Eficácia da administração pública: imposição democrática. Revista de Administração de Empresas. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, p. 65-72, jan./mar. 1990.
TANGUY, L. O Deslocamento de noções: da qualificação à competência no mundo do trabalho e dos saberes à competência no mundo da formação. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica. (Conferência gravada, em 3 de junho de 1996).
UNESCO. Relatório da reunião educação para o século XXI. Paris: UNESCO, 1994.
VEIGA-NETO, A]. Currículo, disciplina e interdisciplinaridade. Idéias, São Paulo, n. 26, 1995.
ZIBAS, D.; FRANCO, M.L.B. O Ensino médio no Brasil neste final do século: uma análise de indicadores. São Paulo: FCC, 1999. (textos FCC, n. 18)
Como Citar
MARTINS, Ângela Maria. Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio: avaliação de documento. Augusto Guzzo Revista Acadêmica, São Paulo, n. 2, p. 62-77, aug. 2012. ISSN 2316-3852. Disponível em: <https://fics.edu.br/index.php/augusto_guzzo/article/view/83>. Acesso em: 10 may 2021. doi: https://doi.org/10.22287/ag.v0i2.83.